Carlos Drummond de Andrade

Pensamentos.me/VEM comigo!

” Sou apenas um homem.

Um homem pequenino à beira de um rio.

Vejo as águas que passam e não as compreendo.

Sei apenas que é noite porque me chamam de casa.

Vi que amanheceu porque os galos cantaram.

Como poderia compreender-te, América?

É muito difícil.

Rio Tapajós

Passa a mão na cabeça que embranquecer.

O rosto denuncia certa experiência.

A mão escreveu tanto, e não sabe contar!

A boca também não sabe.

Os olhos sabem- e calam-se.

Ai, América, só suspirando.

Suspirando brando, que pelos ares vai se exalando.

Lembro alguns homens que me acompanhavam e hoje não acompanham.

Inútil chamá-los: o vento, as doenças, o simples tempo

dispersaram esses velhos amigos em pequenos cemitérios do interior,

por trás de cordilheiras ou dentro do mar.

Eles me ajudaram, América, neste momento

de tímida conversa de amor.

Ah, por que tocar em cordilheiras e oceanos!

Sou tão pequeno ( sou…

View original post 47 more words